Julgamento

Os muçulmanos acreditam que a vida atual é apenas um preparo para o julgamento do próximo reino existencial. Essa vida é um teste para a vida após a morte de cada indivíduo. O dia do julgamento de Deus chegará quando todo o universo for destruído e os mortos ressuscitarão. Esse dia será o início de uma vida que não terá fim. Esse dia será o dia do Juízo Final. Neste dia, todos serão recompensados por Deus, de acordo com suas crenças e atos.

Acreditar no dia do Juízo Final, ou do Al Qiyamah, é obrigatório para todos os muçulmanos, sendo esse conceito parte dos seis artigos da fé. Será o dia em que Alláh ressuscitará toda a humanidade que já viveu na Terra a fim de julgá-los por seus atos e designar à eles o Paraíso ou o Fogo do Inferno.

Acreditamos que o julgamento é uma parte fundamental do caráter de Deus; é a Sua característica prerrogativa divina. Para entender e perceber o que significam os julgamentos de Deus, os quais são bem compreensíveis. Através dos estudos de seus julgamentos, podemos entender o que Ele é e qual é o Seu caráter. Na verdade, Deus nos convida a compreender os Seus julgamentos, para que Ele possa mostrar que é o amor e a justiça de forma deliberada. (Injil Romanos 3:4; Torá Salmos. 51:4; 34:8; Injil Filipenses 2:10-11).

Na Bíblia, temos uma dupla definição do julgamento de Deus: positiva e negativa. Os dois aspectos são, geralmente, apresentados e são complementares, mas é necessário enfatizar que o significado principal é sem dúvida, um julgamento a favor do povo fiel de Deus (Torá Dt 32: 36; Torá 1Cr 16: 33-35; Torá Dn 7: 22; Injil Hb 9: 27-28). Quando Deus julga, significa principalmente que ele justifica, liberta, salva, reivindica e protege. Julgamento significa justificação, salvação, libertação e reivindicação. Existem muitos exemplos desse aspecto positivo do julgamento de Deus, pois os ensinos bíblicos sobre o julgamento são, acima de tudo, redentores por natureza (Torá Sl 76: 8-9).10 Davi pode perguntar à Deus: ‘Julgue-me, Ó Senhor’11 (Sl 7:8), porque ele sabe que o julgamento é uma reivindicação; é a intervenção de Deus a favor dos santos; é a Sua reivindicação contra os nossos inimigos. Na corte divina e celestial, o julgamento é pronunciado ‘a favor dos santos do Altíssimo’ (Torá Dn 7:22). Nada pode ser melhor que essa proclamação forense, porque é desse veredicto que a vida eterna dos redimidos depende.

Eu posso ver uma imagem similar no Islã. Também, podemos ver que no primeiro Sura (Al Fatiha), está escrito: “Em nome de Deus, -o Clemente, o Misericordioso. Louvado seja Deus, Senhor do Universo, Clemente, o Misericordioso, Soberano do Dia do Juízo. Só a Ti adoramos e só de Ti imploramos ajuda! Guia-nos à senda reta, À senda dos que agraciaste, não à dos abominados, nem à dos extraviados." (Alcorão, Al Fátiha 1:1-7).

Esse verso diz que Deus, o qual é Todo Misericordioso, Todo Gracioso, é o Mestre do dia do Juízo Final. Portanto, quão grande esse Deus é; e quão piedoso será o dia do Juízo Final. Essa fase positiva do Julgamento nem é mencionada no Islamismo.

Um outro verso que podemos ver: “E que, espero perdoará as minhas faltas, no Dia do Juízo." (Ach Chu' ará 26:82). Ele está procurando pelo dia do Juízo Final, porque está esperando que Deus o perdoará. Posso ver a situação do profeta Davi dizendo, “Julgue-me Ó Senhor”.

O julgamento é uma coisa positiva quando você confia em um advogado e no juiz ao mesmo tempo. Graças a Alláh, temos essa confiança em Isa Al-Masih, que é o nosso advogado e até mesmo o juiz do dia do Juízo Final, de acordo com o Alcorão e a Bíblia Sagrada.

Leia Mais
Sonhos do Profeta Jacó
Português do Brasil