Inspiração
Inspiração
Lisan Al-Arab define Inspiração como um idioma por "a referência, escrita, mensagem, para inspirar e palavras ocultas ... e tudo o que você entregou aos outros ..."
Mas legalmente, houve várias definições de revelação que podem ser divididas em duas partes:

1 - De acordo com o conteúdo inspirado, o significado está de acordo com a revelação que é a palavra de Deus para seus apóstolos.

2 - Definido como um ato de inspiração e a maneira como costumava ser inspirado.

O Alcorão prescreve três formas de inspiração, como mencionado em Surat Al-Shura 42: 51: “Não é adequado para um homem que Allah fale com ele, exceto por inspiração, ou por trás de um véu, ou pelo envio de um mensageiro. revelar, com a permissão de Allah, o que Allah deseja: pois Ele é o Altíssimo, o Sábio ”.

1 - A primeira forma de inspiração ou revelação é a palavra de Deus para seus apóstolos, lançando a idéia ou inspirando-a em seus corações e mentes, ou seja, inspirando-as, para as quais Al-Qurtubi e Ibn Kathir foram interpretados. Visão, como aconteceu com Ibrahim Khalil Allah (Al-Safat 102), que foi aceito por Abraão como uma revelação de Deus.

2 - A segunda forma é a palavra de Deus para Seus mensageiros por trás de um véu, e o significado dessa história de Deus conversando com Moisés, que ele podia ouvir o som, mas não vê Deus. Essa forma de revelação foi usada apenas com o Profeta Moisés. Surah Al-Aaraf 143 O profeta Moisés pediu para olhar para Deus, mas Deus lhe disse que isso é impossível.

3 - O terceiro tipo de inspiração ou revelação é que Deus envia um mensageiro aos profetas como ele deseja, o mensageiro aqui é um anjo de Deus, assim foi inspirado o Profeta do Islã, que parece inspirado pela ortografia. Deus envia o mensageiro na forma angelical ou na forma de um homem que vê o Profeta, o anjo que Gabriel costumava aparecer na forma de um homem conhecido por Sahabi Dahyah Al-Kalby. Ou o anjo descerá de uma maneira invisível na forma de um jingle bell severo.

A primeira forma descreve a forma bíblica de inspiração, inspiração ao lançar a idéia ou respirá-la nos corações e mentes dos profetas e apóstolos. “Toda a Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, repreender, corrigir e treinar na justiça, para que o servo de Deus esteja completamente equipado para toda boa obra.

A Corrupção (Tahrif)
A Bíblia está corrompida ou distorcida?

Deus te perdoa por blasfêmia إستغفر الله

Al-Hujurat 49: 6 “Os crentes, se um incrédulo lhe traz novidades, sejam claros, para que não afligam as pessoas por ignorância. Nesse caso, você se arrependeria de sua ação.

“يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا إِن جَاءَكُمْ فَاسِقٌ بِنَبَإٍ فَتَبَيَّنُوا أَن تُصِيبُوا قَوْمًا بِجَهَالَةٍ فَتُصْبِحُوا عَلَى مَا فَعَلْتُمْ نَادِمِينَ” (سورة الحجرات 49: 6)
Quem diz que contradiz o próprio Alcorão ... porque o Alcorão diz:

Al-Anaam 6: 34 "Não há palavras trocadas de Allah" "não há palavras que possam alterar as palavras (e decretos) de Allah" "ولا مبدل لكلمات الله" Al-Anaam 6: 115 “E a palavra de seu Senhor foi cumprida em verdade e justiça. Não há como substituir suas palavras, e ele ouve tudo e sabe tudo ” وَتَمَّتْ كَلِمَتُ رَبِّكَ صِدْقًا وَعَدْلًا لَّا مُبَدِّلَ لِكَلِمَاتِهِ وَهُوَ السَّمِيعُ الْعَلِيمُ

Yunus 10: 64 "e não há como trocar as palavras de Alá" “لَا تَبْدِيلَ لِكَلِمَاتِ اللَّهِ”

No entanto, alguns acreditam que houve acréscimos e subtrações na Bíblia "a Palavra de Deus".

Al-Hijr 15: 9 “Nós mesmos revelamos o lembrete e somos seus protetores.”

“إِنَّا نَحْنُ نَزَّلْنَا الذِّكْرَ وَإِنَّا لَهُ لَحَافِظُونَ” (الحجر 15: 9)

1- Torah.

O Alcorão menciona a palavra Torá 18 vezes e confirma que era a Palavra de Deus. O antigo exegeta do Alcorão Tabari se referia à Torá dos judeus como "a Torá que eles possuem hoje".

Al-Baqarah 2:53 “Entregamos a Musa o livro e os critérios, para que você possa ser guiado”

وَإِذْ آتَيْنَا مُوسَى الْكِتَابَ وَالْفُرْقَانَ لَعَلَّكُمْ تَهْتَدُونَ
Al-Ahqaf 46: 12 “Antes, o livro de Musa era um líder e misericórdia. Este é um livro de confirmação em língua árabe, para advertir os ímpios e dar boas notícias àqueles que fazem boas ações. ”

وَمِن قَبْلِهِ كِتَابُ مُوسَىٰ إِمَامًا وَرَحْمَةً وَهَٰذَا كِتَابٌ مُّصَدِّقٌ لِّسَانًا عَرَبِيًّا لِّيُنذِرَ الَّذِينَ ظَلَمُوا وَبُشْرَىٰ لِلْمُحْسِنِينَ

2- Zabur (Pslams)

O Alcorão menciona a palavra Zabur (Salmos) 3 vezes. (Al-Nisa 4: 163; Al-Isra '17: 55; Al-Anbiya 21: 105).

An-Nisa 4: 163 “Nós o inspiramos (Muhammad), assim como inspiramos Nuh e os profetas depois dele. Nós inspiramos ... e a David nós damos os Salmos ”. O Alcorão enfatiza que os Salmos são inspirados por Deus.

Al-Anbiya 21: 105 “Escrevemos no Zabour após o lembrete (Al-Thikr الذكر) Meus servos justos herdarão a terra”

Esta é uma citação direta do Salmo 37:11 "Mas os mansos herdarão a terra e se deleitarão na abundância de paz."

3- Injil (the Gospel)

O Alcorão menciona a palavra Injil (o Evangelho) 12 vezes.

Al-Imran 3: 3-5 “Ele revelou o livro a você em verdade, confirmando o que está em seu poder, e ele revelou o Tawrah e o Injil de antemão como orientação, e ele revelou o critério ... Nada na terra ou no céu é escondido de Deus "

نَزَّلَ عَلَيْكَ الْكِتَابَ بِالْحَقِّ مُصَدِّقًا لِّمَا بَيْنَ يَدَيْهِ وَأَنزَلَ التَّوْرَاةَ وَالْإِنجِيلَ مِن قَبْلُ هُدًى لِّلنَّاسِ وَأَنزَلَ الْفُرْقَانَ إِنَّ اللَّهَ لَا يَخْفَىٰ عَلَيْهِ شَيْءٌ فِي الْأَرْضِ وَلَا فِي السَّمَاءِ

Al-Maeda 5: 46-47 “Fizemos que Isa, filho de Mariam, seguisse seus passos, confirmando o Tawrah em seu poder, e lhe demos o Injil, no qual é orientação e luz, confirmando o Tawrah em seu poder, como orientação e uma advertência aos piedosos. Portanto, que o povo do Injil julgue pelo que Deus revelou nele. Quem não julga pelo que Alá revelou é incrédulo. ”

Al-Maeda 5: 68-69 “O povo do livro não tem fundamento, a menos que defenda o Tawrah e o Injil e o que lhe foi revelado pelo seu Senhor ... Verdadeiramente crentes, judeus, sabinos e cristãos - quem acredita em Deus e em o último dia e praticar ações justas não terão medo, nem sofrerão. ”

Afinal, o que o Alcorão diz sobre a Bíblia ... Quem mudou a Bíblia? Quando? Por quê? Quão? E onde?

Alguns esquecem que o Tawrah e o Zabor são os mesmos livros que judeus e cristãos estão usando hoje; portanto, judeus e cristãos devem concordar em mudar o que é impossível. Alguns cristãos pagaram suas vidas por suas crenças, e você acha que eles morrerão por algo que está corrompido? Isso é impossível…

Quem é Deus mais forte ou seres humanos? Pois o Alcorão diz que a Torá, os Salmos e o Evangelho são de Allah e as palavras de Allah não podem ser mudadas, trocadas ou substituídas?

Se Allah permitirá que Tawrah, Zabor e Injil sejam alterados e não possa protegê-los, como ele protegeria o Alcorão?

Texto Alcorânico sobre a Corrupção da Bíblia Sagrada
Al-Imam Fakhru'-Din Razi, em seu comentário, diz “que a palavra tahrif significa mudar, alterar, desviar qualquer coisa de sua verdade. Este significado é de aplicação geral; mas sempre que o termo é usado em relação às Escrituras Sagradas, ele é, em aceitação comum, entendido como implicando uma corrupção voluntária da palavra de Deus por seu verdadeiro e original significado e intenção. ”

Existem dois tipos, tahrif lafzi ou Tahrif al-lafdh (corrupção do texto) e tahrif ma'nawi ou tahrif al-Ma'na تحريف معنوي أو تحريف المعنى.

O próprio Muhammad, junto com a maioria dos primeiros comentaristas do Alcorão, acusou os judeus de tahrif al-ma'na. Eles os acusaram de alterar o significado de suas Escrituras por falsas interpretações ou suprimindo a verdade quando questionados quanto ao ensino da Torá sobre certos assuntos. Existem muitos versículos que lidam com essa ideia…


Verso # 1: Al-Baqarah 2:75

A primeira passagem do Alcorão é frequentemente citada pelas mesmas pessoas.

"Um grupo deles ouviu a palavra de Deus e, depois de entendê-la, perverteu-a e sabe que sim." Baidawi, ao comentar essa passagem, diz que os pervertidos se referiam a assuntos,

كَنَعْتِ مُحَمَّدٍ صَلَّى اللَّهُ عَلَيْهِ وَسَلَّمَ، وَآيَةِ الرَّجْمِ أَوْ تَأْوِيلَهُ فَيُفَسِّرُونَهُ بِمَا يَشْتَهُونَ

‘Como a descrição do Profeta de Deus, ou o versículo da lapidação ou a exegese dela. Pois eles tinham o hábito de interpretá-lo de acordo com seus desejos. '

Syed Ahmad também, ao se referir a esta passagem, diz: 'A cláusula “ouviu a palavra de Deus e, depois que a entenderam, a perverteu”, mostra que a acusação era apenas verbal na leitura, não que as palavras escritas da texto foi alterado.

Que este é o verdadeiro significado da passagem é óbvio pelas palavras do próprio Profeta; pois, se os judeus tivessem alterado o texto real de suas Escrituras, é inconcebível que ele tivesse recorrido àquelas Escrituras corrompidas, a fim de estabelecer pontos de controvérsia entre ele e os seguidores de Moisés. A facilidade com que os judeus poderiam enganar e enganar os muçulmanos pode ser bem entendida pelo fato registrado por Bukhari de que,

روى أبو هريرة قال كان أهل الكتاب يقرأون التوراة بالعبرانية ويفسرونها بالعربية لأهل الإسلام

'De Abu Huraira, é relatado que ele disse que o “Povo do Livro” costumava ler a Torá em hebraico e explicá-lo ao povo do Islã em árabe. ”O que poderia ser mais fácil, nessas circunstâncias, do que para o Judeus para dar uma interpretação errada às passagens citadas.

No entanto, mais uma passagem deve ser notada antes de terminarmos. Uma passagem do Alcorão, às vezes citada para provar a corrupção da Bíblia, é a seguinte:

Al-Baqarah 2:42

وَلاَ تَلْبِسُواْ الْحَقَّ بِالْبَاطِلِ وَتَكْتُمُواْ الْحَقَّ وَأَنتُمْ تَعْلَمُونَ

"E não vestes a verdade com falsidade, e não escondas a verdade quando a conheces."

Al-Razi in his famous commentary Al-Kabir writes commenting on this verse:
عن ابن عباس أنهم كانوا يحرفون ظاهر التوراة والإنجيل، وعند المتكلمين هذا ممتنع، لأنهما كانا كتابين بلغا في الشهرة والتواتر إلى حيث يتعذر ذلك فيهما، بل كانوا يكتمون التأويل

'Está relatado por Ibn' Abbas que eles estavam alterando o texto da Torá e Injil, mas na opinião dos estudiosos isso era impossível, porque essas Escrituras eram geralmente conhecidas e amplamente divulgadas, tendo sido transmitidas de geração em geração, então que tal (alteração) neles era impossível; ao contrário, eles estavam escondendo o significado. '

Pelo que foi escrito acima, ficou claramente provado que nenhuma acusação de intencionalmente corromper o texto real da Bíblia foi feita no Alcorão contra os judeus. A única acusação feita foi a de alterar o significado por falsa exegese, ou de esconder a verdade pela ocultação de certas passagens. Com relação aos cristãos, não há uma única passagem em todo o Alcorão que carregue os seguidores de Jesus mesmo com tahrif al-ma'na. Este é um ponto que às vezes se perde de vista e que chamamos aqui a atenção do leitor muçulmano; pois mesmo que se pudesse demonstrar que certos judeus de Madina alteraram suas cópias da Torá - algo impossível de provar, como mostramos -, ainda assim, quem julgaria possível que todos os judeus de todo o mundo tivessem colaborado juntos para tornar as mesmas alterações em suas cópias. Tal presunção supõe uma incrível credulidade por parte daqueles que a sugerem. Além disso, supondo que os judeus retirassem de suas cópias da Torá certas profecias a respeito da vinda de Maomé, como é que essas profecias não são encontradas nas cópias mantidas pelos cristãos? É sabido que sempre existiu a mais amarga inimizade entre judeus e cristãos, de modo que o conluio entre eles em um assunto como a corrupção das Escrituras era absolutamente impossível. A inferência é clara: nunca houve tal corrupção.


Verso #2: Al-Imran 3:78

Às vezes é citado para provar a corrupção da Torá. É o seguinte:

وَإِنَّ مِنْهُمْ لَفَرِيقًا يَلْوُونَ أَلْسِنَتَهُم بِالْكِتَابِ لِتَحْسَبُوهُ مِنَ الْكِتَابِ وَمَا هُوَ مِنَ الْكِتَابِ وَيَقُولُونَ هُوَ مِنْ عِندِ اللّهِ وَمَا هُوَ مِنْ عِندِ اللّهِ

Some E realmente existem alguns que torturam as Escrituras com suas línguas, a fim de que suponha que seja da Escritura; ainda não é da Escritura. Eles dizem: "É de Deus"; ainda não é de Deus. '

Uma leitura cuidadosa desta passagem por si só teria sido suficiente para convencer os mais preconceituosos de que aqui não há custo de mudar as palavras escritas da Torá. A 'tortura' ou torção com a língua obviamente se refere a alterações verbais feitas ao ler ou recitar as Escrituras. O famoso comentarista Ibn ‘Abbas em seu comentário sobre esta passagem diz:

يقولون على الله الكذب وهم يعلمون أنه ليس ذلك في كتابهم

Eles falam mentiras contra Deus; e eles sabem que o que eles dizem não está no livro deles. "

Ibn‘Abbas deixa claro que certos judeus costumavam acrescentar falsamente à sua leitura da Torá certas palavras ou frases que não estavam no livro. que estava aberto diante deles. Assim, ele deixa claro que qualquer alteração ocorrida foi feita na repetição verbal das Escrituras, e não no próprio texto escrito.

O Jalalain em seu comentário (tafsir) sobre a passagem diz:

"Eles mudam de lugar na leitura."

Pode ser bom citar aqui as opiniões do autor instruído de Tafsir al-Durr al-Manthur da próxima passagem:

وأخرج اِبْنُ الْمُنْذِرِ وَابْنُ أَبِي حَاتِمٍ عَنْ وَهْبِ بْنِ مُنَبِّهٍ قَالَ: إِنَّ التَّوْرَاةَ وَالْإِنْجِيلَ كَمَا أَنْزَلَهُمَا اللَّهُ لَمْ يُغَيَّرْ مِنْهُمَا حَرْفٌ وَلَكِنَّهُمْ يَضِلُّونَ بِالتَّحْرِيفِ وَالتَّأْوِيلِ وَالكُتُبٍ كَانُوا يَكْتُبُونَهَا مِنْ عِنْدِ أَنْفُسِهِمْ، وَيَقُولُونَ هُوَ مِنْ عِنْدِ اللَّهِ، فَأَمَّا كُتُبُ اللَّهِ تَعَالَى فَإِنَّهَا مَحْفُوظَةٌ لَا تُحَوَّلُ

'Está relatado por Ibnu'l-Mandhar e lbn Abi Hatim de Wahab lbn Munabeh que nenhuma carta foi alterada da Torá e do Injil daquela que foi enviada por Deus, mas eles (os judeus) costumavam desviar as pessoas mudando e alterando o significado. Eles também escreviam livros de si mesmos e depois diziam: “É de Deus” quando não eram de Deus. Mas os (reais) Livros de Deus foram protegidos da mudança e não foram alterados. '


Verso # 3: Al-Imran 3:71

Ainda outro verso do Alcorão é às vezes citado para apoiar a acusação de corrupção da Torá. Funciona assim,
يَا أَهْلَ الْكِتَابِ لِمَ تَلْبِسُونَ الْحَقَّ بِالْبَاطِلِ وَتَكْتُمُونَ الْحَقَّ وَأَنتُمْ تَعْلَمُونَ

People Ó povo do livro, por que vestir a verdade com falsidade? Por que esconder a verdade?

O grande biógrafo do Profeta, Ibn Hisham, registrou para nós a ocasião do 'envio' deste versículo e, ao fazê-lo, refutou completamente a opinião daqueles que afirmam que ele ensina a corrupção da Bíblia. Ele escreve da seguinte maneira:

'Abdu'llah bin bin Da'if', Adi bin Zaid e Al-Haritha bin 'Auf falaram juntos assim: “Vamos, de manhã, acreditemos no que foi enviado a Muhammad e seus companheiros e não acreditemos. à noite, para que possamos confundir a religião deles por eles, e que eles ajam como nós agimos, e nos afastemos da religião deles. ”Então enviou o Deus Glorioso a respeito deles as palavras:“ Ó Povo do Livro, por que vestir a verdade com falsidade? Por que esconder a verdade intencionalmente? "

A partir dessas palavras de Ibn Hisham, fica claro que a passagem em discussão não tem nenhuma referência à Bíblia. Refere-se a certos judeus mentirosos que, a fim de levar os muçulmanos de sua fé, fingiram de manhã acreditar em Muhammad e no Alcorão, 'escondendo' a verdade da questão e 'vestindo' com falsidade suas verdadeiras intenções , mas negando abertamente a crença nele à noite.

Pelas observações dos principais comentaristas muçulmanos citados acima, é bastante claro que o Alcorão não cobra pelo tahrif al-lafz. Tudo o que é provado é que alguns judeus da Arábia se aproveitaram da ignorância de seus ouvintes muçulmanos para enganá-los quanto à verdadeira importação de certas passagens de suas Escrituras. Essas escrituras foram escritas em hebraico e tiveram que ser traduzidas para o árabe para a compreensão dos muçulmanos. Assim, toda oportunidade existia para a corrupção verbal ou falsa interpretação das passagens bíblicas. No entanto, nunca foi feita nenhuma acusação de que os judeus excluíssem o verso da lapidação da Torá. De fato, existe até os dias atuais: uma testemunha muda da fidelidade com que os judeus preservaram suas Escrituras.


Verso #4: Al-Nisa’ 4:46

Uma acusação semelhante de mudar as palavras de seus lugares é feita contra os judeus. Está escrito,

مِّنَ الَّذِينَ هَادُواْ يُحَرِّفُونَ الْكَلِمَ عَن مَّوَاضِعِهِ وَيَقُولُونَ سَمِعْنَا وَعَصَيْنَا وَاسْمَعْ غَيْرَ مُسْمَعٍ وَرَاعِنَا لَيًّا بِأَلْسِنَتِهِمْ وَطَعْنًا فِي الدِّين

Entre os judeus estão aqueles que substituem as palavras e dizem: “Ouvimos e não obedecemos. Ouve, mas como alguém que não ouve; e olhe para nós, "perplexos com suas línguas e ferindo a fé por suas ofensas".

Uma referência aos comentários padrão do Alcorão deixará bem claro que este versículo, como seu antecessor, não contém nenhuma prova da corrupção verbal das Escrituras Judaicas. Pelo contrário, é mostrado que as 'palavras' mencionadas são as de Muhammad! Por exemplo, os Jalalain, em seu famoso comentário do Alcorão, nos dizem que, para ridicularizar Muhammad, alguns dos judeus costumavam alterar certas saudações atuais entre o povo. Assim, eles costumavam vir ao Profeta e, em vez de dizerem السّلام عليك 'A paz esteja contigo', eles costumavam dizer: السّام عليك 'Que o desastre te domine.' Assim eles ficaram perplexos. O imã Fakhru'd-Din Razi diz ainda que os judeus costumavam ir a Maomé e fazer algumas perguntas, mas, depois de se despedirem dele, eles costumavam alterar as palavras que ele lhes ensinara.

A partir dessas observações dos comentaristas, fica claro que o versículo citado acima para provar a corrupção da Bíblia não tem nenhuma referência a esse livro, mas alude à prática dos judeus de distorcer as palavras de Maomé; uma ilustração impressionante da facilidade com que alguns muçulmanos ignorantes cometem erros em relação ao ensino do Alcorão.


Verso #5: Al-Ma’ida 5:13

Um dos versículos do Alcorão mais freqüentemente citados em apoio à acusação de corrupção textual da Bíblia é o seguinte:

Al-Ma'ida 5:13 “Porque eles quebraram sua aliança, nós exigimos e endurecemos seus corações. Eles distorcem as palavras de seu contexto e esquecem um pouco do que foram lembrados ... ”

يُحَرِّفُونَ الْكَلِمَ عَنْ مَوَاضِعِهِ

Tafsir (explicação) Tafheem Al-Quran - Português: “Então, por violarem a aliança, nós os expulsamos de Nossa misericórdia e fizemos com que seus corações se endurecessem. (E agora eles estão em tal estado que) eles pervertem as palavras de seu contexto e, assim, distorcem seu significado, e esquecem boa parte do ensino que foram transmitidos, e em relação a todos, exceto alguns deles, você continua aprendendo que eles cometeram atos de traição. Perdoe-os, então, e negligencie suas ações. Certamente Deus ama aqueles que fazem boas ações. ”(Http://quran.ksu.edu.sa/tafseer/tafheem/sura5-aya13.html#tafheem)

"Eles mudam as palavras de seus lugares", diz Bukhari:

“Eles mudam, isso é remover; mas não há ninguém que possa remover uma única palavra de qualquer Livro de Deus, mas eles mudam, isso é mudar seu significado. '

Tafsir Ibn Kathir “Ou seja, eles perderam o significado e usaram mal os versículos de Allah, e explicaram seu livro sobre o que ele não revelou ou mudou o significado, e carregaram o significado para além de suas intenções. , e eles disseram sobre o que não disse, Deus não permita ... isto é: e eles deixaram de trabalhar por ele. ”

Ibn Hazm e a corrupção da Bíblia Sagrada
Se o Alcorão não confirma a corrupção da Bíblia, quem e por que essa acusação começou. Basicamente, a maioria dos muçulmanos:

1. Não conheço a história dessa acusação.

2. Nunca pensei nas implicações teológicas e históricas dessa acusação.

Ibn Hazm foi o primeiro muçulmano a postular a Doutrina da Corrupção Bíblica no século 11 DC. Assim, nos quatro primeiros séculos da história islâmica, essa doutrina não existia. Isso está de acordo com uma leitura gramatical literal do Alcorão, que afirma ser "uma confirmação do que estava antes dele e uma explicação detalhada das [antigas] Escrituras" (Yunus 10: 37)

No entanto, Ibn Hazm notou que o Alcorão não cumpre o padrão que proclama:

"Ibn-Hazm viu as contradições entre o Alcorão e os Evangelhos. Um exemplo óbvio é o texto do Alcorão: `` Eles não o mataram e não o crucificaram '' Surah 4: 156. `Como o Alcorão deve ser verdadeiro ', argumentou Ibn-Hazm,` devem ser os textos conflitantes do Evangelho que são falsos. Mas Muhammad nos diz para respeitar o evangelho. Portanto, o presente texto deve ter sido falsificado pelos cristãos. 'Seu argumento não foi baseado em fatos históricos, mas puramente em seu próprio raciocínio e em seu desejo de salvaguardar a verdade do Alcorão.

O argumento de Ibn Hazm se baseava no fato de que nada poderia impedi-lo de seguir essa acusação; parecia a maneira mais fácil de atacar os oponentes. "Se provarmos a falsidade de seus livros, eles perderão os argumentos que tiram deles." (IBN HAZM, Kitab al-fasl fi'l-milah, ahah'l nihal)

Isso levou à sua declaração cética de que "os cristãos perderam o evangelho revelado, exceto por alguns vestígios que Allah deixou intacto como argumento contra eles".

Os escritores posteriores adotaram o mesmo raciocínio, ampliaram e embelezaram. Desde então, tornou-se um ingrediente fixo da apologética muçulmana.

Se Deus era incapaz ou não estava disposto a guardar a Sua Palavra da corrupção, então Ele não é Deus. Se Ele não foi capaz de manter Sua Palavra corrompida, então Ele não é Onipotente e, portanto, não é Deus. Se Ele não estava disposto a guardar Sua Palavra da Corrupção, Seus atributos de Veracidade e Imutabilidade são comprometidos e Ele não é Deus.

As implicações históricas dessa doutrina são enormes. A Bíblia é de longe o livro da antiguidade mais bem atestado. A evidência do manuscrito é muito mais forte do que qualquer outra escrita antiga

A afirmação muçulmana sobre a corrupção textual da Bíblia Sagrada encontra pouco apoio nos escritos dos primeiros muçulmanos. É bastante evidente que a maioria dos primeiros polemistas muçulmanos (se não todos eles) acreditavam que o texto das escrituras anteriores, pelo menos no caso da Bíblia Hebraica, permaneceu intacto.

A razão óbvia pela qual alguns muçulmanos do passado, como Ibn Hazm (e muitos hoje), argumentaram que as Escrituras foram corrompidas é que a mensagem da Bíblia Sagrada é diretamente oposta às reivindicações do Alcorão. Em outras palavras, a Bíblia Sagrada e o Alcorão se contradizem em questões fundamentais e fundamentais, mostrando que ambas não podem estar corretas. Os dois podem estar errados, mas não podem ser do mesmo Deus. Portanto, o dilema para o muçulmano é bastante aparente, pois aceitar a Bíblia Sagrada como a Palavra de Deus preservada é rejeitar o Alcorão e Muhammad. Mas atacar a Bíblia Sagrada é desacreditar o Alcorão e as primeiras fontes muçulmanas que confirmam a autoridade, a disponibilidade e a autenticidade das escrituras anteriores.

A acusação de Ibn Hazm de corrupção bíblica não faz sentido. Deve ser rejeitado pelo muçulmano honesto. Foi uma tentativa de responder à pergunta crítica: Qual é a verdadeira razão pela qual o Alcorão e a Bíblia discordam da maioria das doutrinas importantes?

Versos do Alcorão que Mostram a Torá sendo Verdadeira com o Tempo de Isa Al-Masih
´1. Q. Maryam 19:13, Meccan Médio em -7 AH.
´Deus disse: “Oh Yahya, segura o Livro com firmeza”. E Nós demos- lhe sabedoria quando criança”.
´2. Q. Al-Imran 3:49, 2-3 AH.
´O ANjo Gabriel está falando com Maria sobre Jesus antes do Nascimento de Jesus, e diz: ‘E Ele lhe ensinará o Livro e a Sabedoria e o Tora e o Evangelho’”.
´3. Q Al-Tahrim 66:13, 7 AH.
´”Maria, a filha de Imran… creu nas palavras do seu Senhor e nos Seus Livros…”.
´4.  Q. Al-Imran 3:50-51, 2-3 AH.
´Jesus disse: “Eu venho a vós… dando o cumprimento ao que está perante mim, isto é, o Tora; e para vos permitir alguma coisa do que vos foi proibido…”.
´5. Q. Al-Saff 61:7, from 3 AH.
´”E lembrai-vos de quando Jesus, filho de Maria, disse, “Oh filhos de Israel, eu sou o Mensageiro de Allah junto de vós, cumprindo o que fui mencionado no Tora antes de mim...”.
6. Q. Al-Maida 5:47, 10 AH.
´”E Nós fizemos com que Jesus, filho de Maria, seguisse nas suas pisadas, cumprindo o que antes dele foi revelado na Tora; e Nós demos-lhe o Evangelho que continha guia e luz, cumprindo o que antes dele foi revelado na Tora, e uma guia e uma admoestação para os tementes a Deus”.
´7. Q. Al-Maida 5:111.
´”Quando Allah disser. ‘Oh Jesus, filho de Maria, lembra-te do Meu favor, que a ti concedi e a tua mãe; quando Eu te fortaleci com o espiríto de santidade para que tu falasses ao povo na infância e na idade madura; e quando Eu te ensinei o Livro e sabedoria e o Tora e o Evangelho...”.
Verses Showing That True Followers of Isa Were Living During the Period Between Isa Al-Masih and Muhammad
´1. Q. Al-Maida 5:113-114, 10 AH.
´ ”Então Deus dirá, ó Jesus, filho de Maria! Recontar meu favor para você ... Eis! Ensinei a você o Livro e a Sabedoria, a Torá e o Evangelho ...
´ ”E eis! Eu inspirava os discípulos (al-hawariyun) a terem fé em mim e no meu apóstolo (Jesus). Eles disseram (a Jesus): 'Temos fé e (você deve) testemunhar que somos muçulmanos (submissos). ”
´2. Q. Al-Imran 3:52-53, 2-3 AH.
´ ”Quando Jesus encontrou descrença da parte deles, ele disse: 'Quem serão meus ajudantes de (obra de) Deus?' Os discípulos disseram: 'Nós somos ajudantes de Deus. Cremos em Deus e (você deve) testemunhar que somos muçulmanos (submissos). “'Nosso Senhor, cremos no que você revelou e seguimos o apóstolo (Jesus).'”
´3. Q. Al-Saff 61:14, 3 AH.
´ ”Vocês que crêem! Sede vós ajudadores de Deus: como disse Jesus, filho de Maria, aos discípulos: "Quem serão os meus ajudantes de Deus?", Disseram os discípulos: "Nós somos ajudantes de Deus!". Então uma parte dos filhos de Israel creu e parte incrédula: mas damos poder àqueles que creram contra seus inimigos, e eles se tornaram os que prevaleceram. ”
´4. Q. Al-Hadid 57:26-27, from 8 AH.
´ ”E enviamos Noé e Abraão, e estabelecemos em seus descendentes a profecia e o Livro: e alguns deles são corretamente guiados, mas muitos são rebeldes.
´ ”Então enviamos atrás deles nossos apóstolos e enviamos Jesus, filho de Maria, e concedemos-lhe o Evangelho; e Ordenamos no coração daqueles que o seguiram compaixão e misericórdia; e monaquismo, eles o inventaram. Nós não o comandamos ... ainda assim, concedemos àqueles entre os que creram, sua devida recompensa, mas muitos deles são rebeldes. ”Cp. 5:85.
'Aprendemos com este versículo que, embora o monaquismo não seja de Deus, havia verdadeiros crentes entre esses seguidores de Jesus que receberam sua “devida recompensa” (no céu).
Historicamente, o monaquismo começou no século IV, embora certos homens, como Paulo de Tebas, vivessem uma vida separada como eremitas no século III. Santo Antônio do Egito foi o primeiro a organizar até um grupo frouxo em 305 dC, e também no Sinai o monaquismo começou na mesma época.
´5. Q. Al-Kahf 18:10,25, Meccan.
Eis que os jovens se dirigiram para a Caverna. Eles disseram: `Nosso Senhor! Conceda misericórdia de si mesmo e descarte nosso caso da maneira correta '... "
"Então eles ficaram na caverna trezentos anos e (alguns) acrescentam nove (mais) ..."
Yusuf Ali, em várias notas à sua tradução do Alcorão, refere-se a 7 jovens cristãos de Éfeso que, enquanto fugiam da perseguição, se esconderam em uma caverna e não acordaram por 300 anos. Ele discute várias datas que terminam entre 440 e 450 DC e diz que o Khalifa Wathiq (842-846 DC) enviou uma expedição para examinar e identificar a localidade. Hamidullah menciona essa possibilidade, mas pensa que a passagem se refere a um tempo bem antes do cristianismo. No entanto, Toufiq Al-Hakim em sua peça Ahel Al-Kahf os descreve claramente como cristãos.
´6. Q. Al-Buruj 85:4-9, Early Meccan.
Ai dos que fazem a cova (de fogo), o fogo suprido de combustível, eis que eles se sentaram contra o (fogo) e testemunharam (tudo) o que estavam fazendo contra os crentes. E eles os trataram mal por nenhuma outra razão senão que eles acreditavam em Deus ... ”
Versículos do Alcorão mostrando que o Tawrat e o Injil eram verdadeiros e inalterados na época de Muhammad
´1. Q. Saba 34:31, Early Meccan.
´ "E os incrédulos dizem: 'Nós não creremos neste Alcorão, nem naquilo que ESTÁ entre suas mãos (a Torá e o Evangelho)' ..."
Nota: As LETRAS MAIÚSCULAS mostram verbos que estão no tempo presente para Muhammad e seu povo. O itálico tem sido usado para frases que falam de grupos de judeus ou cristãos na época de Maomé, mencionados como crentes ou descrentes, a fim de enfatizar que sempre houve alguns crentes verdadeiros que não teriam mudado suas próprias escrituras.
´2. Q. Fatir 35:31, Early Meccan.
´ ”O que lhe revelamos do Livro é a verdade, atestando (a verdade) o que ESTÁ entre suas mãos (a Torá e o Evangelho) ...”
´3. Q. Yunus 10:37, Late Meccan.
'Este Alcorão não é como pode ser produzido por outros que não Deus; mas é uma verificação daquilo (a Torá e o Evangelho) que está entre suas mãos, e a explicação do livro, em que não há dúvida do Senhor dos mundos. ”
´4. Q. Yusuf 12:111, Late Meccan.
´ ”… (o Alcorão) não é uma história fabricada, mas uma verificação daquilo (a Torá e o Evangelho) que ESTÁ entre suas mãos, uma explicação detalhada, um guia e uma misericórdia para as pessoas que acreditam . ”
´5. Q. Al-Anaam 6:154-157, Late Meccan.
´ ”Então, entregamos o Livro a Moisés completo quanto ao que for excelente, e explicando todas as coisas em detalhes, e um guia e uma misericórdia, para que eles possam acreditar na reunião com seu Senhor. E este (o Alcorão) é um livro que nós revelamos, abençoado: então siga-o e seja justo, para que você receba misericórdia: para que não diga: `O Livro foi enviado a dois povos diante de nós, e por de nossa parte, não nos familiarizamos com tudo o que aprenderam por meio de estudos assíduos; 'ou para que você não diga:' Se o Livro (Torá e Evangelho) tivesse sido enviado apenas para nós, deveríamos ter seguido sua orientação melhor do que eles '. "
´6. Q. Gafer 40:69-70, Late Meccan.
´ ”Você (Muhammad) não vê aqueles que disputam a respeito dos sinais de Deus? Como eles se afastaram? Aqueles que rejeitarem o livro, e aquele (livro) com o qual enviamos nossos apóstolos, saberão quando os colarinhos estarão ao redor de seus pescoços e as correntes, serão arrastados ”.
´7. Q. Al-Ahqaf 46:12, Late Meccan.
´ ”E antes disso havia o Livro de Moisés como guia e misericórdia: e este Livro é uma verificação (em inglês) na língua árabe para advertir aqueles que transgridem e como boas novas aos justos.”
´8. Q. Al-Ahqaf 46:29-30.
Eis que nos voltamos para você uma companhia de gênios ouvindo o Alcorão ... Quando a (leitura) terminou, eles retornaram ao seu povo como advertências. Eles disseram: 'Ó nosso povo! ouvimos um livro revelado depois de Moisés atestando (a verdade) aquilo que ESTÁ entre suas (suas) mãos (a Torá) - guiando para a verdade e para um caminho reto. '”
´9. Q. Al-Baqara 2:91, 2 AH.
´ ”Quando lhes é dito: 'Acreditem no que Deus enviou', eles dizem: 'Acreditamos no que foi enviado a nós (a Torá)': ainda assim eles rejeitam tudo o mais, mesmo que seja um atestado da verdade para (a verdade) o que há com eles (a Torá) ... ”
´10. Q. Al-Imran 3:3, 2-3 AH.
´ ”Foi Ele (Deus) quem enviou a ti o Livro em verdade, atestando (a verdade) o que há entre suas (suas) mãos (a Bíblia), e Ele enviou a Torá e o Evangelho antes disso como um guia para a humanidade. "
´11. Q. Al-Nisa 4:162-163, 5-6 AH.
´ ”Mas aqueles deles (os judeus) que estão fundamentados no conhecimento, e os crentes, crêem naquilo que lhe foi revelado (Muhammad) e naquilo que foi revelado antes de você ... Nós te enviamos inspiração, como nós enviamos a Noé e aos profetas depois dele, e enviamos inspiração a Abraão, Ismael, Isaac, Jacó e as tribos, e a Jesus, Jó, Jonas, Arão e Salomão, e a Davi nós damos os Salmos. ”
´12. Q. Al-Tauba 9:111, 9 AH.
´ ”Deus comprou dos crentes a si mesmos e a sua riqueza, e para eles é o jardim (do Paraíso), se eles lutam nos caminhos de Deus: e se eles matam ou são mortos, a promessa de Deus é verdadeira na Torá. e o Evangelho e o Alcorão, e quem é mais fiel à sua promessa do que Deus? ”
´13. Q. Al-Maida 5:48, 10 AH.
´ ”Para você (Muhammad), revelamos o livro em verdade, atestando (a verdade) o que ESTÁ entre suas mãos da escritura (a Torá e o Evangelho) e guardando (wa muhaiminan 'alaihi)… "
Títulos da Bíblia no Alcorão
O Alcorão descreve a Bíblia com títulos que afirmam de sua importância e legitimidade. Abaixo seguem alguns Títulos que da Bíblia no Alcorçao:

  • As Escrituras                                                                        Al- Imran 3: 3
  • O Livro de Allah                                                                    Al-Imran 3: 23
  • A Palavra de Allah                                                             Al-Baqara 2: 75
  • A Revelação de Allah                                                     Al-Imran 3: 113
  • Os Critérios                                                                        Al- Baqara 2: 53
  • O Lembrete                                                                       Al- Anbiya 21: 7
  • A Luz e a Lembrança                                                    Al-Anbiya 21: 48
  • Luz e Orientação                                                           Al-Maida 5: 44, 46
  • A Revelação do Compassivo Allah                          Maryam 19: 58
A Palavra de Deus é criada?

Uma pergunta que deve ser feita: a Palavra de Deus foi criada? Já houve muita discussão sobre esse tema importante. Existem dois lados: um grupo diz que a Palavra de Deus foi criada e o outro, diz que a Palavra de Deus é eterna e não criada. Vejamos o que o Alcorão e o hadith dizem sobre esse tema importante.

“É Deus o Clemente. Que ensinou o Alcorão. Ele há criado o homem” (Ar-Rahman 55:1-3). Deus estabeleceu essa diferença entre Seu conhecimento e a criação. Ele ministrou o Alcorão, e a humanidade é a Sua criação. O Seu conhecimento não foi criado.

O Alcorão afirma que as palavras de Deus são infinitas: “Dize-lhes, “Mesmo que o oceano fosse tinta para as palavras do meu Senhor, em boa verdade o oceano ficaria esgotado antes das palavras do meu Senhor chegarem ao fim, mesmo que Nós trouxéssemos outro a ele semelhante como mais uma ajuda” (Al-Kahf 18:109). Além disso, o Alcorão diz: “E se Todas as árvores que há na terra fossem penas, e o oceano fosse tinta, com sete oceanos depois disso a ele acrescentados, as palavras de Allah não podiam ser esgotadas. Em boa verdade, Allah é Poderoso, Sábio. (Al-Sajdah 31:28). Suas palavras são infinitas. Se o mar que Deus criou fosse tinta para escrever e as árvores fossem canetas, a tinta do mar e as canetas das florestas acabariam, mas as palavras de Deus jamais iriam.

“Foi narrado por Khawla Bent Hakim, que disse: ‘Ouvi o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) dizer: Aquele que entrar na casa e disser: Busco refúgio do mal que Ele criou nas palavras perfeitas de Allah. Nada lhe machucará até que saia da casa’” (Relatado por Muslim, 2708).

“Foi narrado por Abu Hurayrah (que Allah esteja satisfeito com ele), disse que ‘o Profeta (paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele) diz: A virtude da Palavra de Deus sobre todas as outras palavras são como a graça de Deus sobre toda a Sua criação’”. Narrado por Ahmad (3/390), Abu Dawood (4734) e Tirmidhi (2925).

Esse hadith inclui provas de dois aspectos que comprovam que a Palavra de Deus não foi criada:

A primeira é a diferença entre a Palavra de Deus e as outras palavras – tanto a Palavra de Deus, a qual é Seu atributo, ou as palavras criadas, as quais são a Sua criação. Ele adicionou a descrição de Seus atributos a Si mesmo e os diferenciou de todas as outras palavras. Se todas as palavras fossem criadas, não haveria necessidade de diferenciá-las.

A segunda é a diferença entre a Palavra de Deus e as palavras dos outros, tais como a diferença entre Deus e as pessoas.

É aceitável dizer que a Palavra de Deus, se tivesse sido criada, tem um ou dois atributos: primeiro, tem de ser uma criatura que existe em Deus. Segundo, tem de ser separado de Deus. E ambos os casos são inválidos.

O primeiro exige que a criatura seja parte de um Criador, o que é inválido. Deus pode existir sem a Sua criação. E segundo, precisamos desconectar o atributo da fala do Todo-Poderoso, já que o atributo existe com Deus e não sem Ele; o que significa que Deus não tem a habilidade de falar. O que, claramente, também é inválido.

Quando Deus ministrou palavras para se autodescrever, a Sua Palavra foi criada; porque as Suas Palavras são atributos de Si mesmo e Ele não foi criado.

Precisamos falar aqui sobre Isa Al-Masih (que Sua paz esteja conosco), a Palavra de Deus, “Quando os anjos disseram, ‘Ó Maria, Allah dá-te boas novas de uma palavras vinda de Si; o seu nome será o Messias, Jesus, filho de Maria venerado neste mundo e no próximo, e daqueles a quem é concedida proximidade a Deus. E ele falará ao povo no berço e quando de meia idade ele fará parte dos justos” (Al-Imran 3: 45-46). “Verdadeiramente, o Messias, Jesus, filho de Maria, foi apenas um Mensageiro de Deus, e um cumprimento da Sua Palavra...” (Al-Nisa 4: 171). Nestas passagens, a Palavra de Deus foi criada ou é eterna?

É importante ver que o Alcorão também afirma: “E os anjos visitaram-no quando ele estava orando na câmara: ‘Allah dá-te boas novas de Yahya (João Batista), que dará testemunho de verdade de uma palavra da parte de Allah, - nobre e casto e um profeta, de entre os justos” (Al-Imran 3:40). O Comentário Al-Tafisr Al-Muyasir explica esse verso: “E os anjos visitaram-no quando ele estava orando na câmara, para que deus lhe desse as boas novas de que você dará à luz um filho chamado Yahya, acredite na Palavra de deus – Isa Ibn Maryam. A Palavra que vem de deus (a Palavra de Deus) e Yahya acreditou nEle, ele é Isa Al-Masih (que Sua paz esteja conosco) ...”. Yahya veio ao mundo para pregar por Ele e preparar o caminho para Ele.

Dada toda essa evidência, é claro que a Palavra de Deus não é criada. Como o Alcorão diz: “Allah lhe traz boas novas de uma Palavra dEle, o qual se chamará Messias, Isa, o filho de Maria”. A Palavra Eterna de Deus foi chamada (Jesus Cristo) Isa Al-Masih (que Sua paz esteja conosco). Se Cristo (que Sua paz esteja conosco) é uma criatura, então não há necessidade de diferencia-lo ao descreve-lo como a Palavra de Deus. A Palavra de Deus tem os atributos de Deus; a Palavra de Deus (Cristo, que Sua paz esteja conosco) não é uma criatura e não foi criada. Deus especificou essa Palavra e a diferenciou de todo o resto.

Será que no Alcorão diz que a Bíblia é corrupta?

O Alcorão não disse que o Injil Sagrado era corrompido. Os cristãos não foram acusados de distorção do Injil deles, e muito menos os textos do Alcorão nos quais os críticos se baseiam para discussão pela corrupção do Injil dizem respeito a isso. Nós iremos discutir alguns desses textos:

1 – “Esperais que eles vos acreditem quando uma parte deles ouve a palavra de Allah e então a pervertem depois de a ter compreendido, o sabendo as consequências disso” (Al-Baqarah 2:76).

2 – “Among the Jews are those who distort words from their [proper] usages and say, ‘We hear and disobey’ and ‘Hear but be not heard’ and ‘Ra’ina,’ twisting their tongues and defaming the religion. And if they had said [instead], ‘We hear and obey’ and ‘Wait for us [to understand],’ it would have been better for them and more suitable. But Allah has cursed them for their disbelief, so they believe not, except for a few” (Al-Nisa 4:46).

3 – “And Allah had already taken a covenant from the Children of Israel… So for their breaking of the covenant We cursed them and made their hearts hard. They distort words from their [proper] usages and have forgotten a portion of that of which they were reminded…” (Al-Maida 5:12-13).

4 – “Oh Mensageiro, não deixes que te aflijam os que precipitadamente caem em descrença – os que dizem com a boca. ‘Nós cremos’, mas os seus corações não creem. E entre os Judeus também há os que afetuosamente escutariam mentiras, que escutam para comunicar a outro Povo que a ti não veio. Eles pervertem palavras depois de elas serem postas nos seus devidos lugares; e dizem, ‘Se vos for dado isto, então aceitai-o, mas se vos não for dado isto, então acautelai-vos!’ E quanto aquele a quem Allah deseja experimentar, tu não lhe facilitaras coisa alguma contra Allah. Soa estes cujo coração a Allah tem aprazido purificar; eles terão ignomia neste mundo, e no Futuro terão um severo castigo.” (Al-Maida 5:41).

Aqui temos alguns comentários sobre esses versos:

Esses textos são direcionados aos Judeus. Portanto, o Alcorão diz: “e de entre os Judeus’, então não há menção dos cristãos ou da Bíblia.

Fakhr al-Din al-Razi diz em seu comentário em Al-Maida 5:14, “A intenção da corrupção é de emitir uma falsa semelhança, interpretações corruptas e afastar a palavra de seu real significado para um significado falso ao usar truques verbais, como as pessoas inovadoras atuais que mudam os versos que não se encaixam com as suas crenças – essa é a explicação da corrupção”.

Al-Baydawi disse numa explicação em (al-Ma’ida 5:42), “Eles foram enviados (de Zinya) de um grupo para Bani Qurethah, para pedir ao Mensageiro de Allah e Ibn Suria os julgou. Então, ele o disse, ‘Lhe peço pelo nome de Allah... que entregou esse livro a você com seus ensinamentos do que é legal e ilegal, você consegue encontrar o apedrejamento dos imunes?’ Ele disse ‘Sim’, seja um mentiroso que trará a tormenta’. Portanto, o Mensageiro de Allah mandou que os adulterosos fossem apedrejados à porta da mesquita”.

Al-Tabari disse em seu comentário (Al-Nissa 4:45), “Os Judeus insultaram Muhammad com palavras horríveis e lhe disseram, ‘Ouça de nós a surdez’ como alguém dizendo à um homem, ‘Que Deus não lhe deixe ouvir’. A palavra Rai’na foi interpretada pela atribuição de Ibn Wahab como aquilo que não se deve dizer”.

Yusuf Durra Al-Haddad comenta sobre esses textos:

1- “Vemos primeiro que não há nenhuma menção dos cristãos e do Evangelho. Desafiamos qualquer um a provar no Alcorão que há finalidades aos cristãos e seu Evangelho. Como eles acusam o Alcorão ao acusar que os cristãos distorceram a Bíblia? Ou como eles chamam a Bíblia de corrompida?

2 – “Em todos os lugares, o Alcorão se referiu à um grupo de Judeus e foi mencionado que o outro grupo não os aprovava em sua obra; pois não há espaço para a corrupção.

3 – “Aqueles a quem concedemos o Livro recitam-no como ele deve ser recitado. São os que acreditam nele; porém, aqueles que o negarem serão desventurados. (Al-Baqarah 2:121). Não há medo da corrupção no texto e nem de sua interpretação correta.

4 – “Não lidam com livro inteiro, e nem todo o Torá, ou todas os regulamentos, mas o significado de apedrejamento no Torá, e alguns comentaristas adicionam o atributo à Muhammad, ‘o Profeta Analfabeto, a quem encontraram no Torá e no Evangelho que tinham’ (Al-Aaraf 7:157). Toda a ideia é apenas sobre um ou dois versos do Torá”.

A pergunta que aparece é como o Alcorão comprova um livro distorcido:

1 – “Ele enviou-te o Livro contendo a verdade e confirmando o que o precede; e Ele enviou o Tora e o Evangelho antes disso, como guia para o povo; e Ele enviou a Incontrolável Verdade” (Al-Imran 3:4).

2 – “E Nós fizemos com que Jesus, filho de Maria, seguisse nas suas pisadas, cumprindo o que antes dele foi revelado na Tora; e Nós demos-lhes o Evangelho que continha guia e luz, cumprindo o que antes deles foi revelado na Tora, e uma guia e uma admoestação para os tementes a Deus” (Al-Maida 5:47).

3 – “E que o povo do Evangelho julgue de acordo com o que Allah nele revelou, e quem quer que não julgue pelo que Allah revelou, esses é que são os rebeldes” (Al-Maida 5:48).

4 – “E se eles tivessem observado o Tora e o Evangelho e o que agora lhes têm sido enviado da parte do seu Senhor, eles por certo teriam comido das coisas boas por cima deles e de por baixo dos seus pés. Entre eles está um povo que é moderado; mas inúmeros dentre eles são – mal feitous” (Al-Maida 5:67).

5 – “Say, O People of the Scripture, you are [standing] on nothing until you uphold [the law of] the Torah, the Gospel, and what has been revealed to you from your Lord” (Al-Maida 5:68)

A Bíblia Pode ser Distorcida

Essa pergunta tem sido bastante feita e muitos escreveram sobre esse assunto importante. Mas eu quero compartilhar o que Deus diz na Bíblia, que Sua Palavra não pode ser mudada, distorcida ou alterada. Vejamos o que a Bíblia fala sobre isso:

  • “Nada acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que eu vos mando” (Torá, Deuteronômio 4:2)
  • “Tudo o que eu te ordeno observarás; nada lhe acrescentarás, nem diminuirás” (Torá, Deuteronômio 12:32)
  • “Tendo Moisés acabado de escrever, integralmente, as palavras desta lei num livro, deu ordem aos levitas que levavam a arca da Aliança do SENHOR, dizendo: Tomai este Livro da Lei e ponde-o ao lado da arca da Aliança do SENHOR, vosso Deus, para que ali esteja por testemunha contra ti” (Torá, Deuteronômio 31:24-26)
  • “Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido” (Torá, Josué 1:8)
  • “O Espírito do SENHOR fala por meu intermédio, e a sua palavra está na minha língua” (Torá, 2 Samuel 23:2)
  • “Não violarei a minha aliança, nem modificarei o que os meus lábios proferiram” (Zabour – Salmos 89:34)
  • “Toda palavra de Deus é pura; ele é escudo para os que nele confiam. Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda, e sejas achado mentiroso” (Torá, Provérbios 30:5-6)
  • “Buscai no livro do SENHOR e lede: Nenhuma destas criaturas falhará, nem uma nem outra faltará; porque a boca do SENHOR o ordenou, e o seu Espírito mesmo as ajuntará” (Torá, Isaías 34:15)
  • “Uma voz diz: Clama; e alguém pergunta: Que hei de clamar? Toda a carne é erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e caem as flores, soprando nelas o hálito do SENHOR. Na verdade, o povo é erva; seca-se a erva, e cai a sua flor, mas a palavra de nosso Deus permanece eternamente” (Torá, Isaías 40:6-8)
  • “Quanto a mim, esta é a minha aliança com eles, diz o SENHOR: o meu Espírito, que está sobre ti, e as minhas palavras, que pus na tua boca, não se apartarão dela, nem da de teus filhos, nem da dos filhos de teus filhos, não se apartarão desde agora e para todo o sempre, diz o SENHOR” (Tawrat, Isaiah 59: 21)
  • “A mim me veio, pois, a palavra do SENHOR, dizendo: Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações. Então eu lhe disse: ah! SENHOR Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança. Mas o SENHOR me disse: Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás. Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o SENHOR. Depois, estendeu o SENHOR a mão, tocou-me na boca e o SENHOR me disse: Eis que ponho na tua boca as minhas palavras” (Torá, Jeremias 1:4-9)
  • “Disse-me o SENHOR: Viste bem, porque eu velo sobre a minha palavra para a cumprir” (Torá, Jeremias 1:12)
  • “Toma um rolo, um livro, e escreve nele todas as palavras que te falei contra Israel, contra Judá e contra todas as nações, desde o dia em que te falei, desde os dias de Josias até hoje” (Torá, Jeremias 36:2)
  • “A ti, pois, ó filho do homem, te constituí por atalaia sobre a casa de Israel; tu, pois, ouvirás a palavra da minha boca e lhe darás aviso da minha parte” (Torá, Ezequiel 33:7)
  • “Falei aos profetas e multipliquei as visões; e, pelo ministério dos profetas, propus símiles” (Torá, Oséias 12:10)
  • “Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra” (Injil, Mateus 5:18)
  • “visto que não sois vós os que falais, mas o Espírito de vosso Pai é quem fala em vós” (Injil, Mateus 10:20)
  • “Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão” (Injil, Mateus 24:35)
  • “Mas, alcançando socorro de Deus, permaneço até ao dia de hoje, dando testemunho, tanto a pequenos como a grandes, nada dizendo, senão o que os profetas e Moisés disseram haver de acontecer” (Injil, Atos 26:22)
  • “Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais” (Injil, 1 Coríntios 2:12-13)
  • “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (INjil, 2 Timóteo 3:16-17)
  • “pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente. Pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a sua flor; a palavra do Senhor, porém, permanece eternamente. Ora, esta é a palavra que vos foi evangelizada” (Injil, 1 Pedro 1:23-25)
  • “sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” (Injil, 2 Pedro 1:20-21)
  • “Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro; e, se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa e das coisas que se acham escritas neste livro” (Injil, Apocalipse 22:18-19)

Depois de tudo isso, alguém pode dizer que há distorção, alteração ou mudança na Bíblia? De forma alguma. E sobre quando O Deus Todo-Poderoso disser: “Não violarei o meu pacto ou alterarei o que os meus lábios proferiram”, e Ele dirá: “pois estou esperando para ver o cumprimento de Minha Palavra”, Ele confirmará que: “até que os céus e a terra desapareçam, nem a menor carta, nem o menor traço de uma caneta, desaparecerão da Lei até que tudo seja cumprimdo”.

Como a Bíblia pode ter sido mudada ou distorcida após o comando de Deus: “Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma; atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontal entre os olhos. Ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentados em vossa casa, e andando pelo caminho, e deitando-vos, e levantando-vos. Escrevei-as nos umbrais de vossa casa e nas vossas portas” (Deuteronômio 11:18-20).

Sua Palavra não muda

Can the words of God be changed, corrupted or distort? Let
us hear what the Qur’an says:

“E recita o que te tem sido revelado do Livro do Senhor. Não há nenhum que possa mudar as Suas palavras...” (Al-Kahf 18:28). A palavra que geralmente é usada para se referir ao livro menciona o Alcorão, mas a palavra (as Suas Palavras) se refere aos livros celestes, e inclui a Bíblia porque é a Palavra de Deus e deste modo não há substituto para as palavras da Bíblia Al-Baydawi, que nessa interpretação diz: “Não há quem mude as suas palavras, ninguém pode muda-las ou distorce-las além dEle”.

“Para eles são boas novas na vida presente e também no Futuro – Não há mudança alguma nas palavras de Allah – esse na verdade é o supremo triunfo” (Yunus 10:65). Al- Baydawi disse: “Nenhuma mudança é feita em Suas palavras e não há diferença em Suas promessas”.

“E Mensageiros têm, na verdade, sido rejeitados antes de ti; mas não obstante a sua rejeição e perseguição eles continuaram com paciência até que o Nosso auxilio lhes veio. Não há nenhum que possa mudar as palavras de Allah. E já a ti tem vindo novas dos Mensageiros” (Al-An’am 6:34). E novamente no verso 116: “E a palavra do Senhor é perfeita em verdade e justiça. Ninguém pode mudar as Suas palavras e Ele é o Que Tudo Ouve, o Todo-Conhecedor”. Na interpretação do último verso de Al-Baydawi, menciona-se que a Bíblia é distorcida, mas não se refere à distorção que os mulçumanos se referem; sobre isso discutiremos mais à frente.

Whoever claims that the Bible is distorted in its texts today, since it was not true in the time of Muhammad is coming up with a false accusation and goes contrary to the explicit verses of the Qur’an that bear witness that the right does not come falsehood from his hands or behind him, because one of the most important purposes of the Qur’an that it came to certifies and preserves the Bible. How come that the Qur’an can testify that the Bible is true and inspired by God and guidance to the people, and then returns to  claim that it was changed and lost its credibility, because if this is true the Qur’an has contradicted itself.

Foi declarado em Mishkat Al-Masbih o que Omar disse: “Allah enviou Muhammad em verdade e revelou o livro a ele, então Deus revelou o verso do apedrejamento. O Mensageiro de Allah completou isso e apedrejamos por ele. Apedrejamento no Livro de Allah condenava as pessoas que cometiam adultério caso for imune ao homem ou à mulher. Se houver evidencias de gravidez ou uma confissão. Combinado no primeiro capítulo do Livro das Confins, mas quando Zaid bin Thabit recolheu o Alcorão, ele retirou esse verso para dizer que Omar não o acrescentou ao Alcorão.” Essas palavras são perigosas; se Omar ratificasse o que havia dito sobre a distorção da fala em seus respectivos lugares como mencionado no Alcorão (Surat Al-Maida 5:45), é um fato no Alcorão e não no Torá?

É impossível, dado o fato de que devemos acreditar no Alcorão e declarar que a Bíblia é correta, e “não uma substituição das palavras de Deus”.

A Bíblia no Alcorão

Hoje, muitas vozes defendem que as Sagradas Escrituras que os cristãos têm hoje são diferentes das Escrituras no tempo de Muhammed 571-632 d.C. Desse modo, eles alegam que as Escrituras cristãs são corruptas e distorcidas. Seus argumentos são baseados nos ensinamentos que Deus deu ao profeta Moisés na Torá, que é apenas um livro e não os cinco primeiros livros do Velho Testamento. E também, Deus deu Um Livro a Jesus, o Injil, mas hoje nós vemos os quatro Evangelhos e depois o resto do Novo Testamento. Por isso, não é exatamente o que é mencionado no Alcorão.

Alguém escreveu: “Em nenhum lugar dentro do texto bíblico a Bíblia a chamada de ‘Bíblia’. A palavra Bíblia por si só foi inventada para representar uma coleção de livros”. Em outras discussões: “As passagens no Alcorão que testificam com a Torá, com a Bíblia e aos Salmos, não se referem ao que os cristãos chamam agora de Bíblia”. (Asadi, Islam & Christianity: Conflict or Conciliation?, p.2)

Parece que eles esqueceram de que o Alcorão é cheio de termos e nomes estrangeiros que vem de origem Hebreia, Aramaica, Síria e Grega, como na Torá, Furqan, Musa, Isa, Injil e assim por diante. Também, eles esqueceram que o Alcorão chama as Sagradas Escrituras (Al-Kitab) de o Livro e os crentes no Velho e Novo Testamentos ( أهل الكتاب Ahl Al-Kitab) o Povo do Livro. A que Livro o Alcorão está se referindo? Na verdade, Isa Al-Masih (que Sua paz esteja conosco) menciona esse título várias vezes no Injil.

“Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro” (Jo 20:30).

“Porque está escrito no Livro dos Salmos...” (At 1:20)

“Mas Deus se afastou e os entregou ao culto da milícia celestial, como está escrito no Livro dos Profetas...” (At 7:42)

Agora eu deveria explicar o que a palavra Bíblia significa. A palavra portuguesa “Bíblia” vem do grego “Byblos” e do latim “bíblia”, ambos significam “livros”. Com o tempo, “bíblia” veio a descrever várias escritas, pergaminhos, livros e, eventualmente, a coleção de 66 livros do Novo e Velho Testamento que constituem a Bíblia Sagrada.

O Alcorão fala muito sobre o Livro, a Bíblia; eu vou compartilhar alguns versos do Sura do Alcorão:

“E recordai o tempo em que Nós demos a Moisés o Livro e a Descriminação, para que vós pudésseis ser justamente guiados” (Al- Baqara 2:54).

“E realmente Nós demos o Livro a Moisés e fizemos com que após ele Mensageiros seguissem os seus passes; e a Jesus, filho de Maria, Nós demos Sinai claros, e fortalecemo-lo com o Espirito de santidade. Procedereis vós pois, cada vez que um Mensageiro a vós vem com o que vós próprios não desejais, arrogantemente e tratareis uns como mentirosos e matareis outros?” (Al-Baqara 2:88).

“Aqueles a quem Nós demos o Livros seguem-no como ele deve ser seguido; são estes que crêem no que lá se contém. E quem quer que não creia no que lá se contém, esses são os que tem a perder” (Al- Baqara 2:122).

O Injil como um Sinal de Deus no Alcorão

Quando lemos o Alcorão, vemos referencias explicitas e diretas do Injil. Mas o Alcorão utiliza um padrão específico quando menciona o Injil. Abaixo seguem todos os versos mencionados no Alcorão sobre a Bíblia.

“Ele enviou-lhe o Livro contendo a verdade e confirmando o que o precede; e Ele enviou o Tora e o Evangelho antes disso, como um guia para o povo; e Ele enviou a Incontrovertível Verdade. Por certo os que negam os Sinais de Allah terão um severo castigo; e Allah é Poderoso, e possui o poder de Recompensar”. (Al-Imran 3:4-5).

“E Ele lhe ensinará o Livro da Sabedoria e o Tora e o Evangelho” (Al- Imran 3:49).

“Oh povo do Livro, porque é que vós disputais no que respeita a Abraão, quando o Tora e o Evangelho não foram revelados senão depois dele? Não compreendereis vós então?” (Al-Imran 3:66).

“E Nós fizemos com que Jesus, filho de Maria, seguisse nas suas pisadas, cumprindo o que antes dele foi revelado na Tora; e Nós demos-lhe o Evangelho que continha guia e luz, cumprindo o que antes dele foi revelado na Tora, e um guia e uma admoestação para os tementes a Deus” (Al-Maida 5:47).

“E se eles tivessem observado o Tora e o Evangelho e o que agora lhes têm sido enviado da parte do seu Senhor, eles por certo teriam comido das coisas boas de por cima deles e de por baixo dos seus pés. Entre eles está um povo que é moderado; mas inúmeros dentre eles são – mal feitous” (Al-Maida 5:67).

“Dize, ‘Oh povo do Livro, vós em nada vos baseareis enquanto não observardes a Tora e o Evangelho e o que vos têm sido enviado da parte do vosso Senhor’. E por certo, o que te têm sido enviado da parte do teu Senhor aumentará muitos deles em rebelião e descrença; de modo que não te aflijas pelo povo que não crê” (Al-Maida 5:69).

“…lembra-te…te ensinei o Livro e sabedoria e o Tora e o Evangelho...” (Al-Maida 5:111).

“… uma promessa infalível que Ele sobre Si Próprio tornou obrigatória no Tora, e no Evangelho e no Corão” (Al-Tawba 9:111).

“… Tal é a sua descrição no Tora. E a sua descrição no Evangelho é como o trigo semeado que lança o seu grelo, depois torna-o forte; então torna-se grosso e aguenta-se no seu próprio caule...” (Al-Fath 48:30).

Encontramos um padrão em todos os versos que se referem a Bíblia no Alcorão é que o ‘Injil’ não é mencionado sozinho, mas é precedido pela menção da Torá. E há apenas uma exceção para esse padrão.

“Então Nós fizemos com que os Nossos Mensageiros seguissem nas suas pegadas; e Nós fizemos com que Jesus, filho de Maria, os seguisse, e Nós demos-lhe o Evangelho. E Nós pusemos no coração dos que o seguiram compaixão e misericórdia...” (Al-Hadid 57:28).

No entanto, o padrão continua o mesmo, pois a resposta sobre onde esses profetas foram mencionados se encontra na Torá.

A pergunta que surge é: Por que esse estilo do Alcorão menciona a Torá e o Injil? Será que há algo importante em que o Alcorão quer nos levar a considerar? Sim, há algo importante, como se o Alcorão estivesse nos dizendo que não podemos entender o Injil sem estudar a Torá, ao mesmo tempo, a Torá não pode ser entendida sem saber a perspectiva completa do Injil. Na verdade, a mensagem da Torá e do Injil são uma. A Torá e o Injil são um sinal de Deus para nos guiar pelo caminho correto.

Isa Al-Masih (que Sua paz esteja conosco) disse: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim” (Injil, João 5:39). Ele nos encoraja (que Sua paz esteja conosco) a buscar a Torá, pois a Torá testifica Ele, e Ele salienta sobre quando disse: “A seguir, Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu vos falei, estando ainda convosco: importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos” (Injil, Lucas 24:44). Eu digo a vocês: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra” (Injil, Mateus 5:17-18).

O Injil ensina que “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (Injil, 2 Timóteo 3:16-17). “Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração, sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” (Injil, 2 Pedro 1:19-21). Isso não deixa dúvidas de que a Torá e o Injil são o Thikr (Lembrete), o Furkan, Al-Lawh Al-Mahfoz (Livro Preservado) e a (Kalimatu Allah) Palavra de Deus em cada alteração, distorção e mudança, pois são um dos sinais de Deus.

Português do Brasil
English العربية Español فارسی Português do Brasil